Sexta-feira, 8 de Setembro de 2006

12 - Os periodos da criação

12

 

Ontem, dia 7 deste mês de Setembro de 2006, vieram trazer-me a revista DESPERTAI! deste mês de Setembro que gosto de ler por trazer coisas úteis e interessantes.

Na página 18 apresenta-nos o que parece ser, talvez, uma fotocópia da primeira página de um pequeno livro com o título "O CONCEITO DA BÍBLIA" sobre a questão de saber-se se a ciência contradiz o relato de Gênesis, no que se refere ao tempo que teria demorado a criação dos céus e da terra e de tudo o que nesta passou a existir, isto é, se teria demorado apenas e rigorosamente 24 horas igualzinhas às de hoje ou mais algum tempo, dado o confronto de opiniões de vários quadrantes.

Depois de ler a página 19 fui consultar uma das quatro Bíblias que tenho, por acaso, comecei pela Bíblia de Estudo Almeida, que também, por acaso ou coincidência, na página 18 sobre "A criação dos céus e da terra e de tudo o que neles há" começa por dizer o seguinte: "1 No princípio, criou Deus os céus e a terra." passei ao versículo 2 e fui confrontar com outra, a tradução da versão inglesa de 1961, edição brasileira de 1967. Como já tenho notado muitas vezes, os textos não são exactamente iguais nas palavras, mas muito coincidentes no sentido, o que é compreensível.

Já tenho referido esta questão que parece ser aproveitada para implicações de vária ordem em que se procura desacreditar o que não é científico como se tivesse obrigatoriamente de o ser, quando se vê, constantemente, as contradições e incertezas dos cientístas em descrédito da ciência, como se tem visto, pelo uso abusivo da chamada «ficção científica» e de teorias ou hipóteses que  chegam a ser verdadeiros atentados à inteligência.

Científico, devia ser só aquilo que já estivesse amplamente considerado como verdade absoluta e provada. De resto, tudo serão opiniões, hipóteses ou teorias. E, como é sabido de ciência certa, as opiniões poderão ser muitas, mas das duas uma, ou serão todas erradas ou só uma está certa.

Ouvi, não há muitos dias, dizer que aquele planeta chamado Plutão, que não era apresentado como ficção, afinal não existe mesmo, quando eu tenho dele muitas recordações. Os astrónomos, sem ficção, sabiam tudo sobre ele. Só ainda não sabiam é se ele tinha, ouro ou petróleo, nem se sabia se nos campos, onde a luz solar ainda chegava de tal modo que até se conseguia ver daqui, se poderia cultivar alguma variedade de droga.

Mas, sobre esta questão da criação divina, que outra como ela não poderá haver, não tenho dúvida de que, no princípio criou Deus os céus e a terra. Não me cabe na cabeça que pudesse ser de outro modo.   

Sendo assim, sabe-se que o principio foi tanto o tempo que decorreu  antes de começar a criar a terra, em que criou os céus, como o tempo da criação da própria terra. Dizer-se simplesmente «Deus criou os céus», quererá dizer que antes de ter criado a terra, simplesmente criou o espaço infinito com todos os astros que nele existem? Claro que não! dizem alguns entendidos que vão descobrindo cada vez mais astros como estilhaços, da tal primeira explosão que já conseguiram ver pelo tubo curvado do raio de luz talvez já muito  esfumado, como se Deus tivesse sido o primeiro bombista.      

Criar os céus parecerá a outros que só poderá ser entendido como criar no espaço infinito todos os gases e entidades espirituais. E, só a  seguir, Deus passou a criar a terra, suspensa num sítio desse espaço e para que aí ficasse suspensa eternamente preparou o firmamento dos céus, segundo as suas próprias leis físicas.

Há quem entenda que Deus ao criar os céus terá criado todos os astros e até mesmo garanta que antes de começar o primeiro dia criativo, depois de ter criado a terra,  já existiria a luz da potente luminosidade do existente Sol,  

 Ora a verdade é que, perante tanta escuridão em que se centrava a terra é fácil de acreditar que Deus para levar em frente os seus projectos, tenha passado a dizer: Venha a haver luz, e que tenha visto que aquela luz era boa para o que, no periodo seguinte, iria precisar. Notando-se que, não podendo ela iluminar todos os cantos, ficava havendo separação entre o iluminado e a parte que ainda ficava na escuridão o que faz admitir que a fonte luminosa não estaria muito longe da terra e que esta teria de rodar para sucessivamente expor a sua superfície à luminosidade, e â medida que ficaria exposta a essa iluminação seria dia e noite sucessivamente. Assim, à escuridão total seguiu-se a luz do primeiro dia que se contava até à manhã depois de passar pela noitinha o que revela que o dia não eram só o tempo em que havia luminosidade, mas passando pela noitinha findava na manhã, ao aparecer a luz do Sol. É certo que o homem terá depois convencionado de outro modo, sucessivamente, não só para os sítios das mesmas zonas como adequados a outras diferentes em condições de iluminação, temperatura etc. razão por que hoje de considera o dia como o periodo da meia noite até à meia noite seguinte. Na prática, sem o rigor sideral, mas ao horário estabelecido.

Logo, antes de haver o primeiro dia. E por ser o primeiro dia foi ele o começo do tempo contado, que passou a ser medido. Temos então que o tempo da criação se divide em: principio e periodo dos primeiros sete dias, pois, parece-me, que o próprio dia sétimo é o dia criado do descanso, pois passou a fazer o sétimo dia como o dia do descanso sagrado, mostrando a necessidade de se descansar no sétimo dia. às vezes chego a ficar na dúvida se ainda no início do sétimo dia ter criado  Rigorosamente não se poderá saber quanto tempo, horas, dias, semanas ... teriam decorrido nos periodos do principio e isto, por não haver luz. Mas será inteligente pensar-se que Deus tivesse criado a luz do Sol, antes de criar a terra quando a Bíblia diz que Deus perante a escuridão passou a dizer: Venha a haver luz. E depois Deus viu que a luz era boa e fez separação entre a luz e a escuridão. E Deus começou a chamar luz  de dia, mas à escuridão  chamou de noite. E veio a ser noitinha e veio a ser manhã. Como se pode pensar que já havia Sol antes de ter criado a terra? Como se pode pensar que, sendo assim, este "venha a haver luz", seria apenas ordem para o desanuviamento devagarinho e não a criação de uma fonte luminosa algo próxima que, dependendo do movimento de rotação da terra, ocasionasse a sucessão dos dias e das noites?. 

 

Peço desculpa, vou almoçar, já volto, se Deus quiser.

Já tomei a bica, são 15h e vou dar uma vista de olhos.

Dir-me-ão: Não pode ser, visto que ao criar, no principio, os céus isso significa que terá criado todos os astros que nele existem tal qual como os teria criado!

Como disse antes, penso que não se pode entender assim em face do versículo 2 e 3. Até há quem diga que Deus teria criado os vegetais, que necessitam de luz, quando só no quarto dia criou os luzeiros. Isto é, como se tivesse só agora, criado esses astros e não no princípio. Nada de confusão! O que a Biblia diz é que, depois do terceiro dia, Deus prosseguiu dizendo: Venha a haver luzeiros na expansão dos céus e diz para que terão de servir. Fez Deus os dois grandes luzeiros, o maior e o menor e também as estrelas. No meu modesto entender, o que isto quer dizer é que Deus terá substituído a fonte luminosa, (a luz que criara quando havia só escuridão, iniciando o primeiro dia) criando nesse quarto dia, uma muito mais poderosa e potente fonte luminosa no astro Sol, para que os outros astros pudessem receber e reflectir a sua poderosa luz pelo espaço fora de modo eficaz que evitasse a total escuridão, quando nem pudessem receber directamente a luz do Sol.

Será que os cientistas poderão afirmar e provar o contrário? Com o devido respeito, penso que não.

Mas será que Deus teria tempo de fazer tudo o que criou apenas em seis dias?  Sendo Deus, até poderia ter feito tudo em muito menos. Além disso, realmente, não se pode saber ao certo quantos horas tinha cada dia da criação, nem consta que tivesse criado o relógio para medir o tamanho dos dias como hoje, com algumas dificuldades, temos. O que se sabe é que os dias eram contados pela duração da luz e da escuridão sucessiva que resultava do movimento de rotação da terra. Dizem que o tempo de rotação da Lua é um dia lunar que equivale a cerca de 27 dias terrenos! Ou será que é de translacção? 

Logo, quando os cientistas astrónomos calculam que o Universo possa ter até 15 milhões de anos não estão a descobrir, o que estão é a calcular por estranhas formas ou equações cujos resultados não lhe dão a certeza absoluta da verdade que querem descobrir, sem a base seguro que é o saber qual a unidade de tempo ou de espaço, embora no final seja sempre fácil dizer-se que possa ser ou não ser assim. Isto é, pode ser que seja, mas também, o mais provável é que possa ser que não seja. Este calcular é um tanto imaginativo.

Estou a lembrar-me, por exemplo, do saudoso Plutão.

Realmente, se a Bíblia assim foi escrita há três mil e quinhentos anos (ou mais!?) por um homem chamado Moisés, tenho de reconhecer que os cientístas ainda estão a descobrir essas coisas, por ainda não terem sido inspirados por Deus. Talvez por isso, alguns sintam mais a sua falta, a ponto de o negarem. 

Parece verdade que a Bíblia não nos indica como é que as leis do firmamento dos céus se definem e como são cumpridas. Talvez tenha de ser incumbência dos cientistas, especialmente dos astrónomos, esmiuçar as dúvidas com certezas. É certo que já muito fizeram alguns. Muitos se dedicarão à "ficção" e aí o campo é vastíssimo, esperando que os vindouros venham a confirmar, mesmo em parte, o que teriam só imaginado, como se o tivessem feito antes do tempo. E, assim se irá progredindo! Se imaginar tem valor, descobrir é favor.

Também tenho pensado nisso e tenho as minhas opiniões.

Habituados desde recentes datas e convencidos de que a terra não pode viver sem o Sol, não por ser ele que a ilumina, mas por ser ela que lhe arrasta a asa, não se pode pensar de outro modo, eu sei. E o Sol, que uns teimavam que estava no Centro, já deixou de estar. É à volta do Sol que ela gira, porque é ele que a atrai, nem que seja preciso aumentar-lhe a massa, o diâmetron ou reduzir-lhe a distância.

Mas, que poderemos ver e vemos mesmo a olho nu? E isto vê-se a olho nu. É só uma questão de não se querer fechar os olhos. 

1 - "No principio, Deus criou os céus e a terra"  Está tudo dito, sinteticamente concentrado! É natural que se deseje saber tudo o que esta frase encerra. A curiosidade humana é institiva. Teremos de tentar decifrar. Desde o início daquele principio até ao seu fim só a tarefa de criar os céus, tanto poderia demorar vários periodos de tempo de reduzidos dias (ainda nem se podiam contar os dias!) ou mais numerosos, como apenas uns segundos.

Mas, essa curiosidade não se fecha nem para. Como criança que recebe um brinquedo, quer saber como aquilo é feito e o desventra; esta que continuamos a ser, quer saber exactamente o que fez e como o teria feito. A terra conhecemos ou podemos em grande parte já conhecer, mas mesmo assim, é muito pouco.  

Primeiro, ela tem movimento de rotação e aí ela mostra que não se desloca do mesmo sítio do espaço para outro, pelo menos, sem que tenham de decorrer longos milénios.  O seu movimento de rotação cria um Eixo bastante fixo o que significa que o seu Centro ocupa um determinado ponto do Universo visível, isto é, definido pelo tecto da Abóbada Celeste, por sinal bem recheada de coordenadas longamente estáveis. Assim, ele liga o Polo Norte Celeste ao Polo Sul Celeste. Pontos da Abóbada Celeste que não mudam de lugar! Como saberá a Estrela Polar não está precisamente no Polo Norte Celeste, mas perto dele. Se apontar o seu telescópio, mesmo que seja de olho nu, precisamente para a Estrela Polar ao principio da noite e aí o deixar fixo durante umas seis horas, verá que a Estrela lhe fugiu descrevendo uma pequena curva, justamente à volta do Polo Norte. Vá repetindo todos as noites, sempre que ela for visível e verá que o Eixo da Terra não muda de lugar. Mas se substituir esse telescópio por outro que lhe permita observar o que faz a Estrela Polar durante o dia, então vá corrigindo a pontaria de modo que o Polo Norte fique precisamente no centro da pequena circunferência que a Estrela Polar perecerá percorrer. Confirme sempre que possa que o Polo Norte Celeste se manterá onde está.

Se ao mesmo tempo se estiver a fazer idêntica observação no Polo Sul Celeste o Eixo estará sempre a passar por esse mesmo ponto, que não é assim tão imaginário. 

Se alguém ao longo do Equador Terrestre observar uma estrela cuja zenite esteja no Equador Celeste, verificará que ela passara por lá todos os dias. Verificará, entenda-se como ver a maior parte do tempo e concluir que assim seja, visto que as estrelas só poderão ser realmente vistas quando estivermos mergulhados na noite, isto é, em oposição ao Sol.  

Que mais se precisa para entender que a Terra não se desloca de um lado para o outro?  Isto é, que se encontra a mover-se em rotação no Centro do Universo visível (daqui, claro está!) suspensa no espaço sideral sem nada de material que a ligue a qualquer ponto material? Claro, que o que rigorosamente se passa pode não ser perceptível no curto espaço de tempo de observação de um ano. E, porquê?

Porque está ela no Centro do Universo visível e suspensa ... ?

A este 12, seguir-se-á, se Deus quiser, o 13!

João Cândido 

 

publicado por Clube bolsadoslotos às 11:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


.posts recentes

. 21 - AGRADECIMENTO

. 20 - NA REALIDADE...

. Ano Internacional da Astr...

. 18 - ONDE ESTÁ A VERDADE

. 17-CURIOSIDADES ASTRONÓMI...

. 16 - Um Presente

. 15 - Ainda o Plutão

. 14 - Era uma vez um Plutã...

. 13 - Então porquê?

. 12 - Os periodos da criaç...

.arquivos

. Julho 2014

. Novembro 2013

. Janeiro 2010

. Maio 2008

. Julho 2007

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds